domingo, 18 de novembro de 2007

Garatuja Insone

O novelo desenrolado
nubla e emaranha
meu zumbi desperto

sinto nas retinas
a cegueira que recua
pra ver aquelas luas
de abrir as cortinas

..deste quarto
vejo o cão capenga
famélico de parto
bico pluma em pata
se historiando

..à espera
das garatujas de quimera
num novembro
que bate sem dó

Um comentário:

Aron Matschulat disse...

Vitão.. adoro o que você escreve.. :D
vc é uma mescla engraçada... ta em tdo oq vc escreve.
mt bom meu querido..
vc sabe q eu n consigo fala mt sobre essas coisas.. elas falam sozinhas.
bjo negon.