quinta-feira, 26 de junho de 2008

O Velho e o Escritor

O vôo ia tranqüilo rumo ao deserto. Olhava pela janela, distraído. Havia recebido a anestesia da vida há meses atrás; dois, três, trinta. Qualquer coisa. O avião desceu e pousou. Desembarquei sozinho e andei no nada até encontrá-lo. No meio de tudo, sentado numa cadeira estofada, de escritório, atrás de um computador, estava o escritor.

Cumprimentei-o, e foi cordial. Seus olhos penetraram cada célula, cada nanômetro do meu corpo, roupas, rosto e resto. Percebeu meus olhos cansados, caídos, minha pele espessa de trabalhador braçal, magra de família, branca de ascendência não-africana. As inúmeras rugas que quase cinqüenta anos desenharam em minhas mãos e faces. Meus lábios finos, e cabelos - que agüentavam firme - grisalhos. Percebeu a anestesia. Isso tudo enquanto trocávamos algumas idéias.

Um furor que jamais sentira depois que a primeira ruga se instalou em meu rosto me invadiu - não de súbito. Já previa de alguma maneira essa minha reação. Até tentei evitá-la, já que era tão previsível, mas desde que o encontrei não tive mais vontade de detê-la. Finalmente, disse com fala marcada pela exaustão, em tom baixo e calma quase senil:

- Pivete, que sabe de meus sessenta e seis anos? Que sabe sobre essa vida, sobre esses dias anestesiados?

Ele não ficou perplexo. Devolveu-me um sorriso tranqüilo.

- Não procuro a verdade sobre seus sessenta e seis - respondeu.

Minha vontade de questioná-lo se esvaiu. Sobre isso ele nada mais disse. Pediu, ao invés disso, pra que eu relatasse qualquer parte da minha vida que eu julgasse significante. Vim preparado, mas ali, dispensei tudo que havia julgado importante anteriormente. Comecei simplesmente pelos primeiros fatos que me vieram à cabeça.

5 comentários:

Heyk Pimenta disse...

Bom, vou fazer um troço que não é sempre que gosto, mas, como a gente peca e não conhece direito o que é falaha, faço.

Cara, é legal pensar num velho indo pro deserto armado de verdades relevantes pra contar pra um menino num computador. Imagina a câmera cortando de quinnhentos em quinhentos metros isso. Motrando o velho suando com o pé afunando na areia, chegando perto dum cara corcundinha de máquina, atrás de uma computador.
Aí é legal pensar nisso. Se o cara foi recrutado, se o escritor é um xamã, um guru. Se o guru é o velho. O que fez esse encontro acontecer. Legal pensar nessa passagem.

sempre feliz.

ó, a rachel fez o livro dela. tem 64 páginas, 14X21, bonitinho, 300 exemplares. Ótimo, tem vinte e tantos contos. Vale las penas. E olha, vamos nessa.

Cara, escreve pra ela, pede esse livro. Boto fé. é 25 conto. É caro, mas acho que é agora troca material, doido.

CHerinho pra você;

Hein, rique disse...

Piá, massa.
Agora esse velho não seria o paulo coelho, em busca de inspiração no deserto,né?

qeu melamor. por mim podia morrer de sede e deixar o mundo literário em paz, pra galera como vc chegar mais.



e tenho dito.


massa o texto. gostei.

AEmarcondes disse...

aehiaehiaehaieuheaiuh
me lembrou um caso de agencia:
um velho dirtor de criação, enconta um novo estagiario com uma noa campanha revoucionaria. mas o velho,temeroso do ciclo natural se proteje das novas ideias e midia que ele ansado não tem mais foça para explorar. O bom estagario aceita as criticas sem demerecer o que o velho jáh alcançou, mas não se retrai das novas ideias.

(invntei mesmo... e daih...) iaueiuaehuiehiae
BOA VITAO

compulsão diária disse...

Victor, primoroso!

Muitas maravilhas: roupas, rosto e resto. Rugas.Reação. VeRdades.

E tudo sob o olhar dos escritores que observam. Escutam.

E a cena na vastidão rasa do deserto. Rastros de tempo, apenas.

Adorei. Um dos sus melhores textos. Victor cha-pei. Vc me disse, lembra. Então, CHA-PEI!

Lírica disse...

Planar sobre...
distraído e anestesiado...
qualquer coisa...
sozinho, enfrentando o deserto e o olhar curioso de quem o lê...
Cansaço, desgaste, experiência... cabelos grisalhos, mas firmes. Impor-se, desafiar.
Encontrar reação num igual.
Não vacilar: re-significar.
Ver-se além. Eis uma inspiração corajosa e isntigante. Você se viu no futuro, velho, mas não rígido. calejado, mas não esclerosado. Cansado, mas não destituído de poder. Tranquilo, mas não acomodado. Capaz de rever seus conceitos e recomeçar.
Fantástico.