terça-feira, 5 de maio de 2009

Ferpa Cascão

Me calejei
de tanto pregar
a sensibilidade

9 comentários:

Lírica disse...

A gente pode endurecer por fora, como um escudo, pra se proteger... mas não perde a sensibilidade...
Mas é uma antítese intrigante e bem sacada! Vc tá incisivo, afiado e com dois gumes, ultimamente!

Guto Leite disse...

Sensacional, parceiro, a ferpa-poema... parece pequeno, pontual, mas causa estragos, rs... Abração e parabéns pelo poema!

Rachel Souza disse...

Eu também.

Anônimo disse...

ótimo!diversas realidades se encaixam neste poema.
shalom
edson

Bic Muller disse...

eu me canso de ser tão sentimental as vezes. mas eu vejo que não estou sozinha quando chego aqui e te leio.
=)

Poesia Maloqueirista disse...

linkado com prego!

Tulio Malaspina disse...

afiado!!! poemão!!

Renata de Aragão Lopes disse...

Bárbaro!

Adriana disse...

Quem faz poesia não faz senão calejar...mas o poema tbm pode ter ferrão...eis um outro papel.